Dentro da batalha de poder chilena: câmbios de criptomoedas vs. bancos estatais

Dentro da batalha de poder chilena: câmbios de criptomoedas vs. bancos estatais
Cointelegraph 2018-12-06 20:50:17 http://br.cointelegraph.com

Como os câmbios de criptomoedas entraram com uma petição contra os bancos chilenos: os pré-requisitos e as consequências

Dentro da batalha de poder chilena: câmbios de criptomoedas vs. bancos estatais

Na segunda-feira, 4 de dezembro, a Suprema Corte do Chile acolheu a decisão do banco estatal Banco del Estado de fechar as contas da Orionx, uma bolsa local de criptomoedas. A nova fase na batalha legal entre os bancos e várias casas de criptomoedas - incluindo a Buda.com e a CryptoMarket (CryptoMKT), que apelaram contra a negação de serviços - pode parecer um pouco sinistra de fora. Mas os principais participantes do mercado de criptomoedas chileno garantiram à Cointelegraph que a recente decisão não poderia impedi-los de operar no país.

Casas de câmbio versus bancos - um breve esboço do confronto

Em março, duas casas de câmbio de criptomoedas - Buda e CryptoMKT - saíram com uma declaração conjunta, alegando que alguns bancos no Chile haviam fechado suas contas. "Estamos matando toda a indústria muito antes de explorá-la e entender sua abordagem", diz o comunicado. O CryptoMKT também alegou que outro banco recebeu instruções para não lidar com quem está relacionado a criptomoedas. Ambas as empresas de criptomoedas, então, instaram a Associação Chilena de Bancos (ABIF), que coordena todas as instituições financeiras privadas e estrangeiras do país, a intervir - ou ao menos esclarecer sua posição sobre as criptomoedas.

Uma resposta foi dada dentro de poucos dias após a declaração: O presidente da ABIF, Segismundo Schulin-Zeuthen, disse à empresa chilena Diario Financiero que os bancos estavam livres para moderar as relações com seus clientes. Schulin-Zeuthen também criticou Buda e CryptoMKT por “[gerar] falsos juízos sobre o papel institucional da ABIF”, enquanto o papel da associação consistia em discutir e analisar a regulamentação existente no setor financeiro.

O banco que encerrou as contas das criptos logo se revelou o Itaú Corpbanca, o quinto maior banco do Chile, juntamente com uma filial do gigante bancário latino-americano Itaú Unibanco e do Scotiabank Chile, uma filial de um grupo bancário canadense de mesmo nome. Eles logo se juntaram ao Banco del Estado - o único banco público do país que administra até US $ 52 bilhões em ativos, a partir de 2017.

Mais tarde, em abril, o Itaú Corpbanca se opôs à postura da indústria de criptomoedas de que a mudança era ilegal e insistiu que o fechamento de contas resultaria em uma investigação interna. Segundo o Itaú, Buda não cumpriu sua política de combate à lavagem de dinheiro (AML). Além disso, o banco acusou o câmbio de falhas na verificação dos dados dos usuários, pois o site de Buda solicitou apenas informações básicas durante o registro e não verificou as identidades de seus clientes.

A história toda, incluindo a cobertura da mídia e as respostas oficiais, alimentou uma enorme repercussão nas mídias sociais. Como a Cointelegraph relatou em abril de 2018, os entusiastas da criptomoeda culparam as instituições financeiras por “um enorme golpe negativo na reputação do Chile como uma economia de mercado racional, favorável à inovação”, afirmando que essas ações “sufocam a inovação”. Usuários do Twitter criaram a hashtag #ChileQuiereCrypto (Chile quer cripto), instando o governo a resolver o problema com os câmbios de criptomoedas.

Chilean Banks Against Crypto Exchanges

Em meados de abril, as casas de câmbio de criptomoedas chilenas decidiram lutar por seus direitos e iniciaram uma batalha judicial, recorrendo ao Tribunal de Defesa da Liberdade Competencial (TDLC) - uma instituição independente e monopolista estabelecida para garantir que as regras de livre mercado não sejam violadas. Buda e CryptoMkt, associados à Orionx (cujas contas também foram fechadas), entraram com uma petição contra vários bancos, incluindo o Itaú Corpbanca, o Scotiabank e o Banco del Estado.

Guillermo Torrealba, cofundador e CEO da Buda, resumiu toda a turbulência em um comentário para a Cointelegraph:

"Não houve um regulador, legislador ou funcionário do governo dizendo que as criptomoedas não são legais, foi apenas a decisão de um setor muito poderoso da economia: o setor bancário".

Regulação de blockchain em vez de promessas de criptomoedas

Apenas algumas semanas após a primeira queixa, a TDLC decidiu contra o Banco del Estado e o Itaú Corpbanca, forçando-os a reabrir as contas de Buda.

Mais tarde, em junho, a mesma decisão foi tomada em favor da Orionx. Como a empresa escreveu em sua página oficial no Facebook, o tribunal antimonopolista ordenou que o Banco del Estado e o Banco de Chile - outro grande banco do país que foi mencionado no processo inicial - reabram as contas da Orionx dentro de três dias.

Seria lógico supor que a batalha de longo prazo forçaria as autoridades chilenas a introduzir legislação relevante sobre criptomoedas para evitar tais situações no futuro.

No final de março, após a primeira notícia do fechamento das contas de criptomoedas, o Diario Financiero conversou com o ministro da Fazenda do Chile, Felipe Larrain. Ele estava certo de que tanto o Ministério como o Banco Central do Chile começaram a explorar a possibilidade de regulação de criptomoeda para normalizar a situação:

“O progresso técnico e a economia digital trazem novos serviços às pessoas; temos que considerar esse fato. Mas quando surgem as questões de regulamentação [...], temos que evitar situações que possam afetar o desenvolvimento normal dos mercados e a concorrência saudável”.

O banco central do Chile reafirmou essa intenção em maio. Mario Marcel, presidente da instituição, propôs incorporar o regulamento de criptomoedas para “permitir o registro de participantes nessas atividades e, portanto, ter informações para monitorar os riscos associados”. Marcel também afirmou que a indústria precisava de mais transparência e proteção ao consumidor. - como criptomoedas poderiam possivelmente estar envolvidos em atividades ilícitas, tais como lavagem de dinheiro e financiamento de terroristas.

Seis meses após a recente reivindicação, ainda não há sinal de um marco legal para as criptomoedas no Chile. Em outubro, deputados locais apresentaram uma resolução sobre a adoção do blockchain para a câmara baixa do parlamento do país. Miguel Angel Calisto e Giorgio Jackson - juntamente com outros oito deputados - pediram ao presidente do Chile, Sebastian Pinera, que implementasse o blockchain em todas as áreas públicas do país, além de realizar estudos sobre as vantagens da segurança descentralizada e soluções energéticas.

A Suprema Corte entra em jogo

Um novo capítulo inesperado começou em 4 de dezembro, quando a Suprema Corte chilena publicou sua resolução em favor do Banco del Estado. Como citado pelo grande jornal chileno El Mercurio, o documento diz:

"A resolução de 11 de julho de 2018 está revogada. É declarado em seu lugar que o recurso de proteção apresentado pela Orionx SPA contra o Banco del Estado está rejeitado."

A Suprema Corte explicou ainda que as ações conduzidas pelo Banco del Estado não foram “injustificadas” ou “ilegais”, pois o banco agiu corretamente e não violou nenhuma regra da constituição chilena. Além disso, o tribunal superior afirmou que as criptomoedas “não têm manifestação física e nenhum valor intrínseco”. O documento também declarou que eles não são controlados nem por um governo nem por uma corporação, citando as características da criptomoeda como razões para deixar os bancos recusarem serviços das casas de câmbio de criptomoedas.

No pasaran: Como as trocas de criptomoedas chilenas tratam a decisão do mais alto tribunal

Apesar da aparente aspereza da decisão da Suprema Corte, as bolsas de criptografia chilenas acreditam que isso não afetará o caso. Reagindo à resolução acima mencionada, Orionx publicou uma declaração em sua página oficial no Facebook:

“A Orionx quer esclarecer que essa decisão não implica o fechamento das atuais contas bancárias da empresa. Ao fato de que existe uma medida cautelar atual emitida pelo TDLC, que impede que os bancos fechem as contas mencionadas.”

Além disso, a Orionx enfatiza que discorda dos argumentos apresentados pela Suprema Corte e lamenta a decisão mais recente.

Buda compartilha a mesma postura, citando também a decisão do tribunal antimonopolista em sua declaração oficial:

“A decisão válida em nosso favor, pronunciada pela TDLC, garante que nossas contas bancárias serão mantidas durante o julgamento que é realizado no tribunal mencionado.”

Além disso, a empresa insiste que a resolução da Suprema Corte sobre Orionx não tem nada a ver com a empresa. Em conversa com a Cointelegraph, o cofundador da Buda, Agustin Feuerhake, disse:

“A situação com o Buda.com foi ligeiramente diferente. Desde o início [,] tivemos uma política relevante do KYC [Know Your Customer]. Também combatemos a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo, pelo que o argumento do banco para encerrar uma conta não se aplica ao nosso caso. Não há usuários anônimos no Buda.com.”

Feuerhake acrescentou ainda que os tribunais chilenos não estão avaliando a proibição das casas de câmbio de criptomoedas, mas procuram formas de “condenar os bancos por comportamento abusivo” em relação a eles.

Como a decisão da Suprema Corte não mencionou Buda e CryptoMKT, pode ser um ponto de virada na trama. O arcabouço legal para a criptomoeda, se introduzido, poderia ficar do lado das casas de câmbio de criptomoedas ou ficar ao lado dos bancos.